C.W. Stoneking

quinta-feira, 20/12/2007

Antes de falar do artista de hoje, darei uma breve explicação sobre dois termos referentes ao seu som: Piedmont Blues e Hokum.
Piedmont Blues é um gênero de blues caracterizado por um método de tocar único, em que o polegar toca os sons graves fazendo o baixo da música em alternância com as cordas agudas fazendo a melodia, e é representado por artistas consagrados, como Blind Willie McTell, Blind Blake, Blind Boy Fuller, e diversos outros. O som é bastante influenciado pelos pianos de ragtime, e esse ritmo é o que o diferencia de outros gêneros de blues, como o do Delta do Misssissipi e, apesar de ser um gênero clássico da costa oeste dos Estados Unidos, é possível notar uma forte influência em músicos de outras regiões.
Hokum não é exatamente um gênero e sim um certo tipo de música, dentro do blues, que contenha letras com duplo sentidos, analogias, eufemismo, ou qualquer trocadilho de conotação sexual. É comum encontrar esse tipo de música até nos mais antigos artistas de blues, como Robert Johnson, passando por diversas jug bands, e chegando até em artistas recentes de blues rock, como ZZ Top.
A necessidade de explicar esses dois conceitos veio à tona porque eles são praticamente a definição do som de C.W. Stoneking (1974). Nascido na Australia, filho de pais americanos, ele foi criado numa comunidade aborígene até os nove anos, e aos onze começou a tocar violão. Em 1997 ele se mudou para Melbourne, e começou a fazer pequenos shows, tocando seu blues calcado nas décadas de 20 e 30. No ano seguinte ele montou uma banda, chamada The Blues Tits, que durou apenas um ano e meio, vindo a acabar em decorrência da morte de um dos integrantes. Em 2005 ele gravou seu primeiro disco, sendo aclamado pela crítica local, esse mesmo disco veio a ser lançado oficialmente pela Voodoo Rhythm Records, dois anos depois. Em 2006, gravou um disco de covers de canções antigas que nunca foi lançado oficialmente, e esse disco foi gravado em um único dia na casa de um amigo, e o cantor jura nunca ter tocado as músicas antes daquele dia, só tendo as escutado antes. Stoneking já está em processo de gravação de um novo disco de originais, junto a sua banda, a Primitive Horn Orchestra, que deve ser lançado no ano que vem.
Sua música vai acertar em cheio os ouvidos de qualquer um que goste de um bom blues acústico e, principalmente, quem gostar do som feito pelos pioneiros, com forte influência de ragtime e uma leve pitada de jazz. O disco é uma verdadeira viagem sonora ao passado.

Mississippi & Piedmont Blues 1927-1941 (2006)

King Hokum (2007)

2 Respostas to “C.W. Stoneking”

  1. Augustus Caesar said

    Olá,
    eu encontrei este blog por acaso e me deliciei com os discos comentados. porém, gostaria de saber se é possível baixá-los pois não vi como, diferente de outros blogs (como o fukt). de qualquer forma, fico no aguardo de um retorno positivo ou não (e se possível fazer os downloads, como fazê-los? clicando na imagem das capas?). até mais

    Augustus Caesar.

  2. Fabricio Muller said

    esse C.W. Stoneking é maravilhoso. Viciadaço por aqui

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: